Publicado por: Tati | 16 julho, 2014

Fadas madrinhas não existem

O nome dele é Pedro*. Tem aproximadamente 5 anos. Se o encontrassem em outra circunstância facilmente lhe perguntariam por que não está fazendo comerciais. Lindo! Pra nós, alheios ao fator circunstância, ele é ainda mais lindo. Apenas por ser nosso desde os primeiros dias em que o conhecemos.

Integrante de uma família como tantas do Sopão, com vários irmãos e exposto há vários riscos sociais, nos primeiros dias apenas estava lá. Com muito custo, e insistência da equipe, resolveu brincar, mas falar era artigo de luxo.

Pouco a pouco ganhávamos a confiança dele e pelo menos um “oi, tia! Vamo brincá”, ele dizia.
Numa sexta, ele veio, agarrou minhas pernas e me olhou nos olhos. Havia algo diferente naquele olhar.

Perguntei: “Vamos brincar, cara?”

Ele me olhou novamente e disse: Tia, minha mãe foi embora.

Eu: Será? Talvez ela só tenha viajado e já já volta.

Ele: Não. Ela disse que não vai voltar. Meu pai batia nela e ela não queria mais isso.

Eu: Não fique assim. Logo ela volta. O importante é que a vovó está com vocês e irá cuidar de tudo até a mamãe voltar.

Ele me olhou novamente e me abraçou. Eu não precisava ter todas as respostas. Eu não precisava resolver o problema dele. Eu só precisava de ouvidos atentos, porque ele só queria ser ouvido e ouvir que vai ficar tudo bem.

Abri um sorriso e disse: E agora… vamos brincar?

Ele, sorrindo: Vamos!

Algumas vezes travamos e não participamos de atividades como esta por nos sentirmos impotentes ou por acreditarmos que se não conseguimos resolver todos os problemas destas pessoas não devemos nos envolver. Engana-se quem pensa assim, pois na maioria das vezes eles não precisam de fadas madrinhas ou super heróis, só precisam de atenção.

Queremos ser Seus braços, Seu sorriso, Seus olhos.

#EvangelhoSimples #Saiadabolha #sextatemsopão #sopãocuritiba #historiasqueinpiram

*Nome fictício.

Publicado por: Tati | 14 julho, 2014

Saindo da bolha

Os nomes citados são fictícios, mas as histórias são reais.

Rita é uma menina de 9 anos que volta e meia aparece no sopão. Muitas vezes ela aparece lá sozinha, ela e sua bicicleta. Me impressiono como é uma criança corajosa! Fico pensando se eu tivesse uma filha desse tamanho, como ficaria com o coração na mão por deixá-la andando sozinha de bicicleta da Vila Torres até o Sopão. 9 anos! Mas ela vai lá e sempre leva um pote de sorvete vazio para pegar sopa e levar para a sua família. Algumas vezes ela é a última a ir embora, ela fica conosco até o final, seja esse final às 21h30, 22h30… e depois ela pega sua bicicleta, a sopa e volta pedalando para casa.

Às vezes a Rita aparece com umas amigas mais velhas, como por exemplo a Sara, uma menina de 14 anos que da mesma forma, vai sozinha. Perguntando para ela sobre seus pais, ela contou que nem conheceu o pai e que o papel de mãe é da avó. A mãe de verdade, de acordo com ela, tem problemas com bebida… Ela é uma menina que foi forçada a crescer e ter responsabilidades. No mês passado, por sinal, ela perdeu seu primo, um garoto de nem 17 anos. Ele foi baleado e morto pela polícia. Cada vez que passa uma viatura ela berra: “Assassinos!”. Ela gostava muito dele, de acordo com ela, ele tinha se entregado. Mas não adiantou, levou um balaço. Não é fácil… Mas ela tem um sonho, o sonho de ser modelo.

Infelizmente esse tipo de sonho não é o sonho de todas as crianças/adolescentes que vão lá. A REALIDADE DELES É BEM DIFERENTE DA NOSSA. Eles vivem com a realidade do tráfico de drogas, da violência, das gangues, da morte. Nós não temos a menor ideia de como é viver essa realidade. Nós vamos lá, damos a sopa, conversamos com as pessoas, oramos por elas, brincamos com as crianças e depois voltamos para nossos lares confortáveis e seguros… ELES NÃO. ELES VOLTAM PARA A REALIDADE DIÁRIA.

Nesses últimos meses, semanalmente vejo notícias de mortes naquela vila e penso em cada criança e adolescente que eu conheci. Muitas vezes penso se um dia não será uma dessas crianças/adolescentes que farão parte das estatísticas, estatísticas de homicídio. A realidade das drogas e do tráfico é que a expectativa de vida é baixa, muito baixa, muitas vezes muitos nem chegam a se tornarem adultos.

As crianças nascem inocentes, mas caso não sejam educadas nos caminhos corretos, elas vão caminhar para o que elas conhecem e a realidade no mundo não é boa. Como uma frase que ouvi uma vez: “Se os pais não educarem os filhos, o mundo lá fora vai educá-los” – e isso independe de raça, credo, nível social. Sabe, gosto de trabalhar com crianças, justamente ainda por serem mais puras e inocentes. Mas muitas vezes lidamos com adolescentes e esses, geralmente são mais difíceis. Eles já passaram da fase da inocência. ALGUNS SE GABAM POR FAZER PARTE DE UMA GANGUE, OUTROS QUEREM VENDER DROGA, AFINAL, ISSO DÁ DINHEIRO. Um dia um menininho de no máximo 6 anos me falou que um dos adolescentes lá tinha falado que se ele passasse lá no “lado” deles, eles iriam matá-lo por viver no outro lado, no lado da outra gangue. Uma vez outro garoto me disse que por causa dessa briga de gangues, todos sofrem.

Nas primeiras vezes que tive contato com alguns desses adolescentes, fiquei muito escandalizado com o tipo de conversa deles. Adolescentes de 12, 15 anos, mas com um linguajar e conversas que nem adultos deveriam ter. PERCEBI ENTÃO, COMO VIVO NUMA BOLHA. Como esperar que esses adolescentes falem outras coisas se eles VIVEM isso? Basicamente o assunto é mulher e sexo… da forma mais baixa que se possa imaginar. ISSO É NORMAL PARA ELES. PARA MIM, QUE VIVO NUMA BOLHA, É ESCANDALOSO. E isso me fez pensar em um desses adolescentes, o Pedro, que faz semanas que não o vejo. O que será que aconteceu com ele?

Creio que a realidade da maioria de nós é muito boa apesar das dificuldades de cada um. Creio que muitos têm casas confortáveis. Creio que se tiverem filhos, cada um tenha o seu colchão e quem sabe, cada um tenha seu próprio quarto. Creio que muitos de nós não passamos fome nem de longe, aliás, creio que em nossas casas a comida sobre. NO ENTANTO A REALIDADE DE MUITAS FAMÍLIAS NÃO CHEGA NEM PERTO DISSO. Muitos são os casos em que famílias de 4, 5 pessoas têm que dividir uma “casa” de dois cômodos no máximo. O alimento de cada dia é literalmente suado, a realidade de muitos dos que conhecemos, é que eles conseguem o sustento de cada dia catando papel e andando quilómetros seja no calor, seja na chuva, ou seja no frio, e quando digo frio, frio de Curitiba, daqueles em que muitas vezes nós nos sentamos em nossos sofás, nos enchemos de cobertores e ligamos nossas tv’s a cabo no aconchego do nosso lar.

ÀS VEZES NOS ACOSTUMAMOS TANTO COM NOSSAS “VIDINHAS” QUE NÃO CONSEGUIMOS ENXERGAR A REALIDADE DURA QUE NOS CERCA. Às vezes reclamamos tanto que queremos um salário melhor, uma casa melhor, um carro melhor, roupas melhores, sendo que a grande maioria da população não tem nem metade do que temos. Isso, aliás, me lembra uma frase do grande apóstolo Paulo:

“Porque aprendi a viver contente em toda e qualquer situação. Tanto Sei o que é estar necessitado e sei também o que é ter mais do que é preciso. Aprendi o segredo de me sentir contente em todo lugar e em qualquer situação, quer esteja alimentado ou com fome, quer tenha muito ou tenha pouco”. Filipenses 4:11-12

Nesse último Sopão, devem ter passado para brincar pelo menos umas 10 crianças/adolescentes. Todas querem só uma coisa: Atenção! Mas infelizmente não conseguimos dar nem isso para elas, pois geralmente temos mais crianças do que pessoas para dar atenção a elas. Isso às vezes me deixa inquieto. TENHO CERTEZA QUE MUITAS DESSAS CRIANÇAS/ADOLESCENTES NÃO TÊM UMA REFERÊNCIA POSITIVA NA VIDA DELAS… E MUITAS VEZES, NÓS QUE ESTAMOS LÁ É QUE SOMOS ESSA ÚNICA REFERÊNCIA. Se nós não conseguirmos fazer a diferença na vida delas, existe uma probabilidade grande de que outras farão isso e talvez não seja nada positivo.

Nós cristãos, temos uma responsabilidade muito grande com tudo isso, mas infelizmente, muitas vezes, nos perdemos em nós mesmos e nos tornamos muito mais como os fariseus do que como Jesus. Eu mesmo sou o primeiro a dizer que muitas e muitas vezes sou um “egocêntrico espiritual”, sabe? Coisas do tipo: “Quero que Deus me cure, quero que Deus fale comigo, quero ver os milagres de Deus, quero que Deus me dê mais dinheiro”… e aí vou em milhões de cultos, reuniões, congressos, louvorzões e tudo o que me está a disposição (e tem muita coisa). Mas infelizmente o foco está completamente equivocado. Deus quer me curar, Deus quer falar comigo, quer fazer milagres, inclusive me abençoar financeiramente! Mas ele quer fazer isso para que eu faça para os outros. QUE SEJAMOS ABENÇOADOS PARA TRANSBORDAR PARA OS OUTROS. NÓS SÓ ESTAMOS AQUI NA TERRA POR UM MOTIVO: LEVARMOS A PALAVRA DELE, SERMOS OS BRAÇOS E PERNAS DELE, e muitas vezes é isso que nos falta! Ficamos tão presos em nós mesmos que não fazemos o que Jesus mais fez quando estava aqui que era: IR! É só vermos na Bíblia! Jesus ficava mais na igreja ou com os doentes, excluídos, pobres? E nós? FICAMOS MAIS NA IGREJA COM NOSSOS “IRMÃOS” OU FAZENDO ALGUMA DIFERENÇA LÁ FORA COM OS QUE ESTÃO FORA DA IGREJA? Quer ver milagres? Faça como George Muller que foi um cara que cuidou sozinho de um orfanato com centenas de crianças. Deus sustentou cada criança naquele lugar das formas mais loucas possíveis… até fez com que um carro de leite quebrasse na frente do orfanato!

Quer ver o agir de Deus em sua vida? Deixe de olhar para o próprio umbigo e faça algo pelo próximo! Lembram o que Deus disse para Abraão? “Se tu uma bênção” e não “Seja abençoado”. Aí sim poderemos entender o que significa “melhor é dar do que receber”.

“Então os justos lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, e te demos de comer? ou com sede, e te demos de beber?
E quando te vimos estrangeiro, e te hospedamos? ou nu, e te vestimos?
E quando te vimos enfermo, ou na prisão, e fomos ver-te?
E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos digo que quando o fizestes a um destes meus pequeninos, a mim o fizestes.
Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos;
Porque tive fome, e não me destes de comer; tive sede, e não me destes de beber;
Sendo estrangeiro, não me recolhestes; estando nu, não me vestistes; e enfermo, e na prisão, não me visitastes.
Então eles também lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, ou com sede, ou estrangeiro, ou nu, ou enfermo, ou na prisão, e não te servimos?
Então lhes responderá, dizendo: Em verdade vos digo que, quando a um destes pequeninos o não fizestes, não o fizestes a mim.” Mateus 25:37-45

Enfim, louvo a Deus pelo Projeto Sopão e pela equipe engajada. Tenho plena convicção que Deus tem preparado algo muito, mas muito especial na vida deles, pois eles foram um dos poucos que conseguiram olhar para a necessidade do próximo acima da necessidade deles. Eles conseguiram ter a visão não apenas de levar a comida e achar que fizeram a parte deles, mas de se envolver e ter relacionamentos com cada vida que passa lá, levando o amor de Deus assim, fazendo a diferença na vida daquelas pessoas. Esse é o verdadeiro evangelho na prática. E tenho certeza também que não foi fácil e não é fácil fazer isso há 6 anos! Mas eles persistiram!

Sinceramente, precisamos de mais crentes como vocês. Isso é amar ao próximo. Espero de coração que chegue um dia em que haja tantos crentes querendo fazer a diferença na vida das pessoas (como as que vão ao Sopão, por exemplo), quanto existem crentes fazendo inscrições em tantos cursos e congressos para serem abençoados.

Publicado por: Tati | 5 junho, 2014

Podcrent – Projeto Sopão

on the air

Já ouviu o Podcrent com o Sopão?

Esse podcast do Crentassos saiu em 2011 de uma entrevista com o Rica e a Tati (responsáveis pelo Sopão) e que contam aqui, de uma forma bem descontraída, um pouco da história e visão do projeto, além de muitos detalhes que muita gente nem sabe.

Se você quer saber mais sobre o Sopão, ou tem interesse de montar um projeto também, ou ainda só ouvir umas palhaçadas, esse podcast é uma boa dica! ;)

>>> Clique aqui para ouvir online ou faça Download do Mp3 (Duração: 1:38:56 — 68.1MB)

Leia mais http://crentassos.com.br/blog/2011/03/s1e8-podcrent-0006-projeto-sopao.html

Publicado por: Tati | 29 maio, 2014

AME COM VERDADE

Publicado por: Tati | 16 maio, 2014

Uma sopa muito esperada!

Ricardo: Boa noite, está sem o carrinho hoje?
Carrinheiro: Hoje voltei mais cedo, levei o carrinho pra casa, peguei a bicicleta e voltei pra comer a sopa de vocês. Eu sou católico e todo dia eu rezo por vocês. Rezo pra que Deus dê força pra vocês trazerem essa comida boa pra nós. Rezo pra Ele dirigir o carro de vocês, porque se um dia vocês pensarem em não vir, que Ele troque o caminho de vocês e traga vocês para cá com essa sopa boa!

SE um dia a gente pensar em não vir? Iiih se ele soubesse quantas vezes isso acontece… hahahah a preguiça e a falta de ânimo aparecem sim, e como! Sair de casa a noite, na sexta, é muitas vezes um grande desafio (imagina no invernão de Curitiba?), mas fazer parte disso tudo é tão gratificante que vale todo o esforço!

"Há maior felicidade em dar do que em receber". Atos 20:35

#sextatemsopao #sopaocuritiba #historiasqueinspiram

Publicado por: Tati | 28 abril, 2014

Rir é o melhor remédio

Dona Neuza frequenta o Sopão há muito tempo já, não é catadora de papel e aparece no Sopão só pra ter tempo conosco, ela é daquelas pessoas que dão um abraço gostoso e demorado. :)
Com 59 anos se acha super idosa (pense?) mas já passou por muita coisa nessa vida. As nossas conversas por vezes são sérias e por vezes rendem muitas brincadeiras e risadas e, nessa última sexta, depois de algumas piadinhas e risadas ela me olhou séria, pegou na minha mão e disse:

- Olha, eu não sei o que seria de mim se não tivesse conhecido vocês pra rir e receber abraços sinceros!

É uma história muito simples, eu sei, mas as vezes a gente não tem dimensão do que atitudes simples como ouvir, abraçar e contar piadas, geram no coração das pessoas. Em meio a tantos acontecimentos recentes e trágicos na vila temos nos sentido tão impotentes, mas declarações como essas nos mantem firmes pra continuar esse projeto, que é simples sim, mas é cheio de amor!

#sextatemsopao #sopaocuritiba #historiasqueinspiram

Publicado por: Tati | 27 março, 2014

CAMISETAS SEXTA TEM SOPÃO

Olá apoiadores,
Estamos lançando hoje as camisetas da nossa campanha.

O Sopão vai usar a verba arrecadada com as vendas para tocar algumas famílias do projeto, em áreas que temos trabalhado junto e dado suporte. Além de ajudar a divulgar o projeto e reunir mais apoiadores, você vai contribuir para que o projeto se estenda mais!

Custa R$ 35,00 e já abrimos vendas pela página do facebook e também na Igreja Comunidade Alcance de Curitiba – durante os finais de semana.

Os modelos são corte tradicional (sem babylook) e vão do P ao XG.

Entre em contato conosco pela página ou pelo e-mail projetosopao e reserve a sua! (Enviamos por correio para todo o Brasil – frete a ser calculado).

>>> Adquira a camiseta e faça parte desse time de heróis. <<<

#sextatemsopao #sopaocuritiba #camisetasopao

Curta e ajude a compartilhar! ;)

Publicado por: Tati | 21 março, 2014

É hoje!

Foto: >>> É HOJE! <<< / #sextatemsopao #sopaocuritiba FAÇA PARTE! Quer mais informações? Escreva pra a gente aqui ou no e-mail: projetosopao@gmail.com

>>> É HOJE! <<< /
#sextatemsopao #sopaocuritiba

FAÇA PARTE!

Quer mais informações? Escreva pra a gente aqui ou no e-mail: projetosopao

Publicado por: Tati | 14 março, 2014

Simples assim

Mayara tem uma imaginação muito fértil. Ela ama contar e ouvir histórias e pode ficar horas prestando atenção em cada detalhe reagindo das formas mais engraçadas.

Em uma das visitas à sua casa, pude passar um tempo com ela "viajando" nas milhões de histórias que ela inventou. Quando chegou a minha vez, aproveitei os livrinhos que eu tinha para contar a história de Davi e de sua bravura diante do gigante Golias, e de José e seu dom de interpretar sonhos. Comentei que em ambas histórias Deus estava presente ajudando a vencer os desafios e cuidando de cada detalhe. Mayara ficava hipnotizada com as histórias e no final ela ficou calada, olhando pra o nada como se estivesse muito longe. Aí perguntei:

- Mayara? No que você está pensando?
– Tô pensando que Deus podia ir lá em casa, né? – respondeu com um sorrisão nos lábios.

Ah essa simplicidade das crianças… como precisamos aprender a ser assim!

"Eu asseguro que, a não ser que vocês se convertam e se tornem como crianças, jamais entrarão no Reino dos céus." Mateus 18:3

#sextatemsopao #sopaocuritiba #historiasqueinspiram

Publicado por: Tati | 7 março, 2014

Piquenique no Sopão

Depois do dia de trabalho, é sempre bom fechar a noite com um piquenique no Sopão.

- Ei, vem pro nosso piquenique?! – Criança 1
– Pode deixar, tô chegando aí. Precisa levar algo? – Carol
– Não, já temos tudo… sucos, paçocas e comida gostosa. :) (acho que essa carinha não expressa o tamanho do sorriso, mas é quase isso) – Criança 2
– Ok – Carol
– Ei, vamos orar antes de comer? – Criança 1
:D – Carol

Cenário: uma grama, alguns pedaços de isopor pra compor a mesa, copos de suco, copos com um macarrão delícia e paçoca… mta paçoca…

Tem como não amar?
No olhar dessas crianças, toda sexta tem banquete no Sopão. Vem provar!

#sextatemsopao #sopaocuritiba #historiasqueinspiram

Older Posts »

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.